A gestão da crise do coronavírus fracassou, por que?

Image for post
Image for post
SBIE

Fechar a economia e paralisar a vida social não conteve a epidemia. O vírus se espalhou e, além do dano causado pela própria epidemia, imensos danos adicionais foram causados a muitas pessoas por causa da quarentena.

Previsões problemáticas

Como economista, sou treinado em fazer previsões e, portanto, estou familiarizado com as armadilhas de fazer previsões. Muitos processos em economia têm padrões semelhantes às epidemias. Desde a disseminação de novos produtos até as recessões e os contágios que ocorrem nas crises cambiais, ocorrem processos semelhantes às “pandemias”. Amplamente ignorada no início, e, a princípio, apenas crescendo lentamente, as crises geralmente permanecem sem ser detectadas até que seja tarde demais. Quando o problema finalmente chama atenção, as autoridades tendem a reagir exageradamente. Contramedidas são tomadas que não contêm o problema, mas que o agravam.

Muitas vezes, seria melhor não fazer nada e deixar as coisas seguirem seu curso. No entanto, os governos são solicitados a fazer algo. A população fica empolgada quando a mídia pede acriticamente que algo seja feito. O mesmo tipo de erro que costuma ocorrer na política econômica também ocorreu no caso do lockdown em 2020.

Os modelos de previção epidemiológica não são melhores do que os modelos dos economistas. Não muito diferente dos desenvolvimentos dinâmicos da economia, também é quase impossível prever a tempo e com clareza a futura forma e dimensão de uma epidemia. Os processos epidêmicos ocorrem na forma de uma “curva de crescimento“, que é um desenvolvimento quantitativo bem conhecido em economia, finanças e biologia.

Quando um processo cresce a uma taxa constante, o aumento geral começa pequeno, mas fica cada vez maior ao longo do tempo até o seu inevitável colapso. Uma cultura de bactérias, por exemplo, crescerá lentamente no início e ganhará velocidade com o tempo até terminar em colapso total quando não houver mais nenhum hospedeiro.

Como pode ser visto no gráfico abaixo (figura 1), a epidemia de coronavírus segue o padrão típico da chamada curva de crescimento logístico, com as características de um crescimento quase plano no início, seguido por um aumento cada vez mais acentuado até um pico de onde a curva se abaixa.

Figura 1: Mortes diárias relatadas em todo o mundo de COVID-19 de 22 de janeiro a 15 de maio de 2020

Image for post
Image for post
Our World in Data

Fonte: Our World in Data. Report May 15, 2020

Pode-se ver que a curva está quase plana de janeiro até o início de março, mas teve uma acentuada curva ascendente na segunda quinzena de março de 2020, primeiro moderadamente e no final de março a uma velocidade crescente. De meados de março até o início de maio de 2020, o número de mortes confirmadas diariamente aumentou até atingir o pico no início de maio e vem caindo desde meados de abril de 2020.

Para explicar melhor esse processo de crescimento com mais detalhes e destacar suas características, podemos estilizar a curva e concentrar-se no início e na parte exponencial do processo de crescimento (Figura 2).

Figura 2: Processo de crescimento exponencial

Image for post
Image for post

As curvas neste gráfico (Figura 2) apontam que, no início do processo, com a mudança de a para b ao longo do eixo do tempo (t), a existência de um processo exponencial ainda é irreconhecível. No mundo real, sob incerteza de dados, um prognóstico precoce poderia facilmente ter sido linear, como mostra a linha P1. Durante a primeira metade do processo, de quase plana no início (a-b) até o trecho em que a curva se torna visivelmente exponencial (b-c), metade do tempo já passou (de a a b) até que o ponto final (d) tenha sido foi alcançado. No entanto, em torno do ponto b, a projeção ainda sugeriria um desenvolvimento relativamente moderado (P2), pois o movimento da curva ainda é apenas ligeiramente dobrado para cima depois de atingir o estágio b e os efeitos do processo (Q1) ainda são leves em comparação com o que eles serão no final. No período entre b e c, pode parecer que o processo ainda é gerenciável. Afinal, o efeito quantitativo (eixo vertical) subiu apenas para Q2 no eixo vertical.

A parte de c para d representa a parte dramática da curva de crescimento exponencial. Em cerca de um sétimo do período total de tempo, de quase plano a quase vertical (d), a maior parte dos efeitos ocorre dentro do período de tempo de c a d. Nesta fase, a velocidade da mudança é tão rápida que, no caso de uma questão política prejudicial, as autoridades ficam sobrecarregadas com os eventos e entram em pânico, o que promove a tomada de decisões erradas.

No início, os processos de crescimento exponencial normalmente não são detectados. No entanto, quando são reconhecidos, muitas vezes motivam seus descobridores a exagerar sua dimensão. Quando se trata de política pública, e a mídia cobre o assunto, a tomada de decisões públicas tende a descartar um bom julgamento.

A tomada de decisão desastrosa também ocorreu no confronto contra a pandemia do coronavírus. Em um ataque de pânico, governos de todo o mundo implementaram medidas duras para bloquear a disseminação do coronavírus. A paralisação da economia incluiu o fechamento de escolas, a suspensão de eventos esportivos e culturais, o fechamento de restaurantes e o fechamento de negócios não essenciais. Muitos governos implantaram uma política de distanciamento social.

Falha na política de “achatar a curva”

Os defensores de uma paralisação da economia justificaram as medidas com a alegação de que as medidas de controle “achatariam a curva”. Esses defensores na política e na ciência alegaram que, sem uma quarentena, o sistema de saúde existente ficaria sobrecarregado pela onda de pacientes. Em muitas variações, o modelo rodou todo o mundo e foi reproduzido em todo canto mostrando a curva com um pico alto e uma base pequena em contraste com uma curva com um pico baixo e uma base mais ampla (Figura 3).

Figura 3: O conceito de “achatar a curva”

Image for post
Image for post

Fonte: Everything you need to know about the coronavirus. Wired

Como se fosse uma ordem vinda de cima, o modelo de “achatar a curva” foi rapidamente adotado nos escalões do poder. “Achatar a curva” tornou-se o mantra em toda a Europa, com poucas exceções. Os Estados Unidos também iniciaram paralisações em todo o país. Os formuladores de políticas descartaram a crítica de que os modelos não representavam completamente a realidade e eram necessariamente baseados em suposições. No caso do modelo de achatamento da curva, a suposição era de que era sabido desde o início que um processo um de crescimento exponencial estava se formando. Como tal, o modelo de aplainar a curva insinua que as autoridades poderiam saber desde o início que uma epidemia perigosa está chegando. Como se pode ver no gráfico (Figura 3), assume-se que as medidas de proteção comecem logo no momento em que a epidemia começa. No entanto, fazer isso é impossível na realidade.

Demora um tempo até que a propagação de uma doença infecciosa possa ser identificada como uma epidemia. Existem atrasos consideráveis ​​entre o início factual do processo e o seu reconhecimento. Mais defasagens ocorrem entre o reconhecimento e o diagnóstico. As defasagens adicionais ocorrem desde a avaliação de risco da ocorrência até a tomada de decisão e a implementação de medidas. Finalmente, o tempo passa até que as medidas se tornem efetivas. Raramente as medidas de política pública ocorrem da maneira prevista e, portanto, exigem ajustes finos e demorados.

O modelo de achatamento da curva (Figura 3) sugere que, com medidas de proteção, a propagação do vírus ocorreria mais lentamente e levaria a um ponto mais baixo do que seria o caso sem medidas de proteção. A política alega que o pico do número de pacientes seria menor, pois o número total de casos a serem tratados se espalharia por um longo período de tempo.

O que realmente aconteceu foi bem diferente.

Como explicado acima, um processo de crescimento exponencial (Figura 2) aparece no início como nada peculiar e, com base nos dados disponíveis, sugeriria uma projeção linear de seu curso. Esse também foi o caso do coronavírus. No início de 2020, a disseminação exponencial do coronavírus não era reconhecível. No entanto, naquela época a epidemia já estava em andamento. Quando as medidas para aplainar a curva começaram, a epidemia já estava se movendo em direção ao seu pico. A representação correta das curvas no modelo de nivelamento da curva não deve permitir que a curva nivelada comece no mesmo ponto no tempo que a curva que mostra o desenvolvimento sem medidas de proteção.

Um modelo realista deve levar em consideração o tempo que falta. Então, existe um intervalo de tempo entre o desenvolvimento da epidemia no mundo real e a implementação de medidas de proteção. O processo de “achatar a curva” começa muito mais tarde que a própria epidemia (Figura 4).

Figura 4: Curvas de crescimento da epidemia real, projetada e pretendida por políticas

Image for post
Image for post

O gráfico (Figura 4) mostra na curva C3 o desenvolvimento de fato da epidemia, na curva C1 a epidemia como foi projetada por modelos proeminentes e na curva C2 ​​o que os formuladores de políticas pretendiam alcançar “achatando a curva”.

Nesse modelo (Figura 4), o coronavírus foi identificado como uma epidemia no ponto t1. Naquela época, a epidemia já havia entrado em sua fase exponencial. Como explicado acima (Figura 2), os processos de crescimento exponencial permanecem sem serem detectados no início. Escondidos no lixo dos dados, apenas especialistas podem ter alguma pista, nos estágios iniciais, de que algo está se formando. No entanto, mesmo para o especialista, leva tempo para reconhecer a natureza exponencial do processo. No momento de sua descoberta (t1), uma epidemia (C3) já está em pleno andamento e seu início faz parte do passado. Quando um observador descobre que algo incomum está se formando, dificilmente existem dados suficientes sobre a origem do fenômeno em estudo e, portanto, o pesquisador deve usar o que está à mão que, no caso de uma epidemia presumida, são testes. No caso de epidemias, os testes naquele momento normalmente descobrem um processo de crescimento exponencial.

Quando os especialistas fazem suas projeções, a verdadeira dimensão do processo ainda é desconhecida. No entanto, quanto mais dramática for a projeção de um processo prejudicial, maior será a probabilidade de obter atenção da mídia, do público e, por último, mas não menos importante, dos tomadores de decisões políticas. Foi o que aconteceu no caso da epidemia de coronavírus.

Como é sabido até agora, as projeções dos efeitos da epidemia de coronavírus em termos de “casos” que precisariam de tratamento médico (C1) foram exageradas em comparação com seu curso real (C3), que, é claro, ainda não era conhecido no momento do prognóstico. No entanto, foi a projeção (C1) em seu exagero que induziu os formuladores de políticas a iniciar (t2) suas medidas para aplainar a curva (C2). Somente com um atraso considerável uma quarentena pode entrar em vigor. Como se viu até agora, a verdadeira dimensão da epidemia de coronavírus era muito menor do que o previsto. A quarentena chegou tarde demais para ter efeitos significativos sobre a disseminação das infecções e, mais ainda, fechar a economia e paralisar a sociedade também era desnecessário. Mesmo que a pandemia tivesse atingido a dimensão projetada, as medidas para contê-la teriam chegado tarde demais.

A Alemanha, por exemplo, está sendo exaltada por sua contenção bem-sucedida da epidemia, mas passa despercebido que o lockdown e a aplicação do distanciamento social foram implementados em 23 de março de 2020, quando a taxa de contágio já havia caído abaixo do limiar de 1 (um), o que significa que a propagação da infecção não estava mais aumentando. (Figura 5)

Figura 5: Taxa de reprodução (R) do coronavírus na Alemanha

Image for post
Image for post
Epediomologisches Bulletin

Com base em dados do Robert-Koch-Institut, Alemanha (RKI)

Números do Centro alemão de controle e prevenção de doenças, o Instituto Robert Koch (RKI), mostram que a chamada “taxa de reprodução” de infecções pelo coronavírus começou a diminuir do seu pico já em 11 de março (b) e já havia caiu abaixo do nível crítico de um dia já antes da implementação do lockdown ©. Naquela época, a propagação da infecção já havia terminado. Não diferente do que aconteceu em muitos outros países, projeções dramáticas foram publicadas na Alemanha em um momento em que a taxa de reprodução estava em sua fase de aceleração (a), mas quando as medidas preventivas foram tomadas, a velocidade do contágio já estava além do seu pico (b) e no momento em que o bloqueio foi imposto ©, essa medida já havia perdido toda a sua lógica.

Quarentena ineficaz

A quarentena (ou lockdown) não ajudou a conter a epidemia, mas produziu imensos danos, incluindo a perda de vidas e de saúde. Enquanto os governos declararam salvar vidas ser o objetivo de fechar grande parte da economia, as medidas produziram o oposto e continuarão a custar o bem-estar material e a saúde de muitas pessoas, mesmo após o fim da quarentena.

Na Europa e nos Estados Unidos, o coronavírus foi reconhecido como uma potencial epidemia em uma época que o processo epidêmico real já estava bem avançado, de modo que as observações ocorreram quando a curva de crescimento já estava na fase de seu crescimento exponencial (t1). Naquela época, o proeminente modelo de prognóstico previa uma pandemia extrema (C1) que, em comparação com o que ocorreu mais tarde (C3), sugeria uma dimensão de casos que excederiam amplamente a capacidade total (CF) dos sistemas de saúde existentes. Os tomadores de decisão políticos optaram pela rápida implementação de medidas severas de contenção (C2), a fim de achatar a curva imaginada C1 e reduzir o número de casos que precisariam de tratamento, de acordo com as capacidades existentes.

As medidas para aplainar a curva começaram quando o número de novas infecções cresceu em sua velocidade máxima já se aproximando do pico. Nesse ponto, as medidas adotadas necessariamente entrariam em vigor somente após um atraso na implementação, para que a quarentena se tornasse efetiva no momento em que as medidas fossem inúteis para conter a epidemia porque o número de novas infecções já estava além do máximo (veja a figura 6).

Figura 6: Intervalo de tempo de achatamento da curva através da quarentena

Image for post
Image for post

Como é mostrado no gráfico, e como as estatísticas disponíveis confirmam, o lockdown não achatou a curva. A quarentena chegou tarde demais para ter um efeito importante. Além disso, a epidemia foi menos dramática do que a percebida no momento em que as quarentenas foram iniciadas. Somente em alguns países, como mais proeminentemente na Itália e na Espanha (Figura 7), ou em locais específicos, os picos ficaram por pouco tempo acima da capacidade do sistema de saúde, que também se mostrou mais flexível do que o previsto.

Figura 7: Total de mortes relatadas para Itália e Espanha, 2016–2020, semana 20

Image for post
Image for post
EuroMOMO Bulletin

Fonte: EuroMOMO: Relatório para a Semana 20, 2020

De acordo com o Boletim EuroMOMO, que monitora as taxas de mortalidade na Europa, a maioria dos países não sofreu excesso de mortalidade na temporada de inverno de 2019/2020 e os picos de mortalidade permaneceram abaixo ou dentro do intervalo das fases anteriores dos surtos de gripe. Nos países em que o pico em 2020 excedeu as taxas de excesso de mortes anteriores, os topos dos picos eram mais altos, mas sua base era menor, o que significa que também nesses países, o número total de mortes sazonais não aumentou.

O resultado para todas as idades (Figura 8) para as mortes relatadas na Europa mostra que houve um pico mais alto em 2020 do que nos anos anteriores. No entanto, como a base em 2020 era menor do que nos anos anteriores, o número total de mortes não foi significativamente maior.

Figura 8: Total de mortes relatadas para todas as idades, Europa 2016 a 2020, semana 20

Image for post
Image for post
EuroMOMO Bulletin

Fonte: EuroMONO: Relatório para a Semana 20, 2020

Conclusão

Mesmo após meses de sua eclosão, a verdadeira natureza do coronavírus ainda não está clara. Por outro lado, o dano da quarentena já é definitivo. Embora leve algum tempo até que os custos e benefícios possam ser totalmente verificados, é evidente que fechar a economia e paralisar a vida social custará mais vidas do que foram salvas. Nesse sentido, a quarentena de 2020 representa um democídio, cuja definição é assassinato pelo próprio governo.

No momento em que estamos prestes a entrar em uma nova grande depressão, há uma semelhança trágica entre o que aconteceu na grande depressão dos anos 1930 e o que está ocorrendo agora com as devastações da quarentena. Nos dois casos, os governos prolongaram e aprofundaram a agonia.

A quarentena de 2020 provavelmente entrará na história como o primeiro democídio do século XXI, como uma guerra global que os governos infligiram às suas próprias nações sem nenhuma necessidade racional em puro pânico — por causa de uma combinação de arrogância, soberba de poder e completa estupidez, ainda com o apoio total de suas populações que sofreram lavagem cerebral, apavoradas pelos exageros dos meios de comunicação de massa.

Quando toda a miséria da quarentena estiver visível, devemos lembrar que os políticos não agiram sozinhos, mas tiveram o apoio da mídia, de alguns especialistas e da grande maioria da população. O que aconteceu e ainda está acontecendo não passa de um suicídio coletivo.

…………….

Este artigo apareceu no Instituto Rothbard Brasil sob o título “A gestão da crise do coronavírus — o que realmente aconteceu e porque fracassou” no 16 de maio de 2020

Veja e compartilhe também estes artigos, vídeos e entrevistas do mesmo autor sobre a crise com o coronavírus:

“A Pandemia do Coronavírus na Luz dos Dados”. Video Clip no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=JVW3JMBSW18&t=171s

“Entrevista sobre a pandemia do coronavirus e suas consequências econômicas” com Gustavo Cunha: https://www.youtube.com/watch?v=xq3RWn7qlwI&t=2548s

“Coronavírus: O que é melhor? Deixar a epidemia seguir ou achatar a curva?” em Medium: https://medium.com/@antonymueller/coronav%C3%ADrus-o-que-%C3%A9-melhor-deixar-a-epidemia-seguir-ou-achatar-a-curva-d847874b3464

Vocês foram enganados. A verdade sobre o Coronavírus e COVID-19” em Medium: https://medium.com/@antonymueller/voc%C3%AAs-foram-enganados-6dd63f34a0a9

Como Podcast no YouTube: “Vocês foram enganados. A verdade sobre o Coronavírus e COVID-19” https://www.youtube.com/watch?v=L4iTaDFTHa4&t=8s

“COVID-19: Há uma solução privada ou só pública para controlar a epidemia?” No Medium: https://medium.com/@antonymueller/covid-19-h%C3%A1-uma-solu%C3%A7%C3%A3o-privada-ou-s%C3%B3-p%C3%BAblica-para-controlar-a-epidemia-ec7a5af6a516

Como podcast no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=xq3RWn7qlwI&t=2548s

Dr. Antony P. Mueller is a German professor of economics who currently teaches in Brazil. See his website: http://continentaleconomics.com/

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store