Crise Econômica: 2020 não é 2008

Image for post
Image for post
Balanço do Banco Central dos Estados Unidos (em milhões de US-dólares)

As autoridades monetárias e fiscais, juntamente com grande parte da comunidade financeira, parecem acreditar que as medidas atuais são simplesmente uma volta de políticas que foram adotadas após a crise de 2008 e que, desta vez, também não ocorreria uma grande inflação de preços em consequência das medidas expansivas. É calamitoso tanto para os formuladores de políticas quanto para os investidores ignorar a diferença entre 2008 e 2020.

Após a crise financeira de 2008 , as políticas de estímulo não se transformaram em uma inflação de preços, porque o dinheiro recém-criado permaneceu em grande parte no setor financeiro e não se espalhou para a economia real em grande escala.

A grande estagflação

Líderes governamentais e banqueiros centrais nos Estados Unidos, Europa e além estão prestes a cometer os mesmos erros que foram cometidos na década de 1970, quando as políticas econômicas expansionistas aprofundaram e prolongaram a estagflação. Agora, enfrentamos o risco de que as coisas piorem.

A situação atual é mais semelhante ao golpe que ocorreu com o choque do preço do petróleo em 1973. Naquela época, os esforços para estimular a economia pela expansão fiscal e monetária produziram uma estagflação duradoura . Naquela época, junto com “estagflação”, o termo “slumpflation” foi cunhado para caracterizar com mais precisão uma economia que está atolada em uma forte queda (slump) e é devastada pela inflação de preços.

Image for post
Image for post
Estados Unidos: Taxa de inflação de preços (linha azul) e taxas de desemprego (vermelho para homens, verde para mulheres)

O principal efeito da política de baixas taxas de juros foi apoiar o mercado de ações e proporcionar ganhos inesperados aos investidores financeiros. Enquanto Wall Street floresceu e os lucros subiram e os salários permaneceram estagnados.

Image for post
Image for post
Índice dos preços de ações (Standard & Poor’s 500)

A diferença de 2020 em relação a 2008 é que as consequências do bloqueio da economia em frente do coronavírus afetam a economia real. É provável que o desemprego fique aqui e que pode levar muito tempo para a economia se recuperar. A crise de 2008 deixou intacta a estrutura de capital da economia real. Em 2020, esse não é o caso.

O lockdown da economia favoreceu alguns setores, enquanto a maioria das outras partes da economia sofrerá, particularmente em áreas de trabalho intensivo, como o negócio de restaurantes e o turismo . Por esse motivo, o desemprego persistirá e a política macroeconômica deve falhar.

Agora não é hora de Keynes, mas do empreendedor

Quando a estagnação e a recessão aparecem juntas com a inflação de preços, a política macroeconômica está paralisada. Usar Keynes como guia para combater a crise daria um golpe adicional na economia, que já foi enfraquecida pela pandemia e o consequente lockdown. Um terceiro golpe está prestes a atingir a vida econômica por causa das políticas econômicas destinadas a curar o impacto dos dois ataques anteriores.

A crise atual trouxe uma mudança no perfil da demanda do consumidor. A crise de 2008 destruiu o capital não real, mas financeiro, e o banco central curou essas perdas criando enormes quantidades de liquidez. Desta vez, no entanto, a economia real está encolhendo e o capital real está sendo destruído.

Gastos governamentais adicionais e expansão monetária devem deixar de estimular o setor privado quando a economia é desafiada pela necessidade generalizada de conseguir sua adaptação à nova situação. 2020 não é a hora das políticas macroeconômicas, mas um apelo a uma ação empreendedora para organizar a estrutura de capital diante das mudanças no padrão de oferta e demanda.

Image for post
Image for post
Estados Unidos. Taxa de desemprego

Com as cadeias de suprimentos globais em desordem e o protecionismo nacional em alta, a ajuda que veio do comércio internacional após a crise de 2008 não está mais aqui. O bloqueio da economia afetou gravemente o sistema global de cadeias de suprimentos que havia sido uma importante fonte de manutenção de preços baixos no passado. Além disso, com a ruptura do comércio com a China, que diz respeito não apenas aos Estados Unidos, o impacto de produtos baratos do exterior que amorteceram a inflação global de preços recuará. Uma das consequências de mais produção doméstica em vez do livre comércio global será o aumento dos custos de produção.

Conclusão

A imensa massa em liquidez que os Bancos Centrais despejaram sobre a economia vai ter um efeito, porém este tipo de recuperação tem pernas curtas. Pior ainda, empresas que precisariam declarar falência podem continuar com a ajuda de liquidez à preço zero. Assim, mesmo a taxa de emprego pode diminuir por algum tempo. Ao longo do tempo, porém, uma economia que inclui cada vez mais empresas zumbi não pode gerar nem produtividade nem crescimento econômico.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store